Deus Está Acima dos “Deuses”

Por volta da metade do segundo milênio antes de Cristo, o povo de Israel se encontrava escravo no Egito, maior potência econômica e militar da época. Assim, segundo os registros do livro de Êxodo, Deus apareceu a Moisés e o ordenou a comparecer perante o Faraó para intermediar a liberação do povo. Que argumento seria tão contundente para que o líder egípcio abrisse mão de valiosa mão de obra escrava?

Moisés falou ao Faraó o que Deus lhe mandara: “deixe o meu povo ir para celebrar-me uma festa no deserto”. Depois, ele esclareceu que era para permitir o povo caminhar três dias, no deserto, para oferecer sacrifício ao SENHOR. Deve ter parecido ao Faraó um escárnio o que Moisés lhe falara, pois ele respondeu: “quem é o SENHOR, para que eu lhe obedeça e deixe Israel sair? Não conheço o SENHOR, e não deixarei Israel sair” (Êxodo 5.2).

Chegamos ao cerne da questão: a revelação de Deus à humanidade. Até então, os povos não tinham conhecimento de Deus, o Criador de todas as coisas. Havia muitos deuses no mundo, fruto da imaginação e do desejo humano por Ele. Então, o SENHOR vai usar a libertação de Israel do cativeiro egípcio para se apresentar aos homens: “os egípcios saberão que eu sou o SENHOR”. Mas só palavras não convencerão o Faraó, por isso disse Ele a Moisés: “porei a minha mão sobre o Egito, e com poderosos atos de juízos tirarei …” (Êxodo7.4).

Deus vai revelar-se por meio de seus juízos, as pragas, mostrando que os deuses egípcios nada eram. O rio Nilo, adorado como o deus Hapi teve suas águas transformadas em sangue; as rãs, adoradas como a deusa Hect que, segundo eles, ajudavam as parturientes tornaram-se repugnantes devido sua infestação sobre todo o Egito. Os touros, adorados como os deuses Apis e Mnevis, foram todos mortos. O sol, adorado como o deus Rá foi ultrajado, pois não brilhou por três dias, devido a densas trevas que vieram sobre o Egito.

Os egípcios viram que seus deuses nada podiam diante do SENHOR. Mas o golpe mais duro foi a morte de todos os primogênitos egípcios, inclusive o filho mais velho do Faraó. Este, considerado divino, não pode deter o poder das palavras proferidas por Moisés. O Egito foi devastado pela mão do SENHOR e, depois desse juízo, Israel foi liberado. Como entender essa ação divina sobre o Egito? E o que dizer da morte dos primogênitos? Teria sido Deus mal? Isso é assunto para uma nova postagem, que pode ser a próxima.

Antônio Maia – M.Div.

Direitos autorais reservados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s